Buscar
  • Saulo Pithan

Quando devo me preocupar com o refluxo? Especialista explica o problema

Atualizado: 7 de nov.



O gastrocirurgião Dr. Rafael Ostermann, afirma que, quando não tratado, refluxo pode desencadear até câncer


Por que o refluxo acontece? O gastrocirurgião e endoscopista Dr. Rafael Ostermann, membro e diretor técnico do Núcleo de Combate a Obesidade da Ostermann Medical Center, explica que o refluxo é a passagem do suco gástrico para o esôfago.

Isso acontece quando a válvula que separa os dois órgãos, chamada de esfíncter, falha em sua função. Como o esôfago dispõe de um ambiente menos ácido do que o estômago, esse suco, responsável pela digestão dos alimentos, machuca a mucosa desse órgão, levando a uma sensação de queimação no peito, dor, pigarro, rouquidão e até sufocamento noturno. A sensação de sufocamento ocorre quando a pessoa come alimentos pesados antes de dormir e junto com o ácido sobe, também, parte da comida.


O refluxo pode ser considerado uma doença?

Sim. Segundo Dr. Rafael, em média 25% dos brasileiros possuem refluxo. Os casos mais simples não são considerados doença e podem ser diagnosticados com endoscopia. São tratados com medicamentos que fazem com que o estômago produza menos ácido, os chamados inibidores de bomba de próton, dietas que evitem alimentos irritantes para o estômago, como café, chocolate, bebida alcoólica, refrigerante e frituras e mudança comportamental na alimentação, como comer regularmente, mastigar bem os alimentos e fazer a última refeição pelo menos duas horas antes de se deitar, evitando comidas pesadas.


O uso de medicação como omeprazol para sensação de queimação resolve?

Dr. Rafael Ostermann não recomenda o uso do omeprazol ou qualquer outro medicamento sem orientação médica. O uso em doses erradas ou por período prolongado pode fazer com que a pessoa não consiga absorver certos nutrientes no futuro.

Além disso, o omeprazol pode mascarar um caso mais grave de refluxo, fazendo com que a doença evolua.



Como é feito o tratamento de casos mais graves?

O médico diz que o tratamento depende do quadro. Pacientes com alteração na coordenação do esôfago são tratados com medicações procinéticas, que ajudam na movimentação do órgão. Casos de fragilidade do esfíncter podem ser tratados tanto com cirurgia como com um tratamento chamado stretta. O stretta é a aplicação de radiofrequência não ablativa (que não queima) por meio de endoscopia. Os dois tratamentos têm o objetivo de fortalecer o tônus do esfíncter. A hérnia de hiato só pode ser tratada com cirurgia


Onde encontrar tratamento

A Ostermann Medical Center funciona na Rua Expedicionário Iracy Luchina, 1205 – Coloninha em Araranguá-SC. Além de atendimento presencial é possível receber atendimento on-line para facilitar o esclarecimento de dúvidas pelo

WhatsApp: 48 9. 9973-7109 ou (48) 3522-2314.

25 visualizações0 comentário